Tag Archives: microsoft

Microsoft anuncia preços do Windows 7

Com um monte dessas, você leva o novo Windows pra casa.

A quatro meses de seu lançamento, a Microsoft acabou de anunciar em seu blog de desenvolvimento os preços do Windows 7, que deve chegar às lojas no dia 22 de outubro, incluindo sua versão em português.

Os usuários que queiram migrar do XP ou Vista para o novo sistema operacional terão de desembolsar US$ 119,99, US$ 199,99 ou 219,99 para adquirir o Windows 7 Home Premium, Professional e Ultimate, respectivamente. Já para os que optarem por comprar licenças novas, a conta sairá mais salgada: o Home Premium custará US$ 199,99, o Professional 299,99 e o Ultimate US$ 319,99.

Fonte: GigaBlog

Com sensores, Project Natal quer aposentar o controle

A Microsoft revelou em sua conferência na E3, realizada nesta segunda-feira (1º), o Project Natal , dispositivo que traz uma série de sensores para o Xbox 360. O aparelho tem detecção de movimento de corpo inteiro, além de reconhecimento de rosto e voz, e fica posicionada em frente à TV.

No vídeo de demonstração no evento, foi revelado um game de luta, que faz exatamente os mesmo movimentos corporais do jogador; um jogo de corrida em que se joga com gestos, como se estivesse segurando um volante – outros jogadores atuam durante o pitstop -; e um título de chutar a gol. Foi mostrado também um jogo de skate, em que o usuário pode “escanear” o próprio equipamento. Esse título também é controlado por gestos.

O sensor também conta com um sistema de reconhecimento de face. Assim, quando um usuário fica em frente ao sistema, o Xbox 360 faz o login na Xbox Live, e o avatar passa a imitar seus movimentos. Também tem reconhecimento de voz e, com essa função, é possível ativar comandos apenas falando. Para tocar um vídeo, basta dizer “play”; com “good bye”, o console é desligado.

O corpo é o controle

A navegação na dashboard pode ser feita com movimento das mãos. Games como “1 vs 100″, de perguntas e respostas, passam a ser jogados com gestos e voz, quase como nos programas de TV do gênero na vida real. Ou seja, o sistema também sabe o número de jogadores, que abre possibilidade para títulos multiplayer.

Foram mostrados dois aplicativos ao vivo durante a E3. Em “Ricochet”, o objetivo é rebater uma bola, com qualquer parte do corpo. Como o sensor é 3D, consegue reconhecer distâncias, ou seja o avatar do jogador pode se movimentar em todas as direções do espaço virtual. A precisão parece alta, reconhecendo até a abertura das mãos e a velocidade com que os movimentos são feitos.

Já em “Paint Party”, o usuário simula que está jogando tinta com as mãos num quadro gigante. A cor é escolhida através de comando de voz. E existe uma funcionalidade de recortar máscaras usando os contornos de seu corpo.

Nomes estrelados

Dois grandes nomes da indústria estão trabalhando com o Project Natal. Um deles é o consagrado diretor Steven Spielberg, que recentemente também passou a fazer games (caso de “Boom Blox”). Por ora, seu projeto ainda está envolto em mistério.

A outra personalidade é Peter Molyneux, presidente da Lionhead Studios, que demonstrou “Milo”. Essse é o nome do garoto virtual que guiou a demonstração do jogo, na qual caminhava por uma enseada e a jogadora que interagia com Milo através de conversa e movimentos pode mexer na água (até seu reflexo aparece). O garoto apresenta movimentos faciais bastante realistas, com destaque para a movimentação da boca durante a fala.

Na última parte da demonstração, a jogadora desenhou algo em uma folha de papel e a “entregou” a Milo, erguendo-a em frente a câmera e, no mesmo instante, Milo aparecia com a folha em mãos na tela. Segundo Molyneux, Milo reconhecerá os desenhos feitos em papel, mas como essa interação acontece será demonstrada em uma apresentação à portas fechadas durante a E3.

Microsoft lançará anti-vírus Gratuito em Breve

A Microsoft prepara para breve o lançamento do seu antivírus gratuito com proteção contra malware, vírus, rootkits, trojans e spyware.

Um porta-voz da empresa revelou que o produto já está sendo testado internamente entre os colaboradores e que dentro de pouco tempo será disponibilizada uma versão beta para os utilizadores, a partir do seu site.

O antivírus da Microsoft deverá ser compatível com o Windows Vista, XP e o novo Windows 7, mas não deverá ser integrado na nova suite, de acordo com a imprensa internacional.

A Microsoft já tinha no mercado uma solução de segurança com algumas ferramentas de protecção – o Live OneCare – cujas vendas a retalho deverão ser descontinuadas até ao final de Junho, mas que continuará activo até ao término das actuais subscrições. Todas as vendas do OneCare, incluindo as online, deverão terminar logo que o Morro esteja acessível.

Peter Firstbrook, analista da Gartner, descreveu o software como um “antivírus simples”, que utiliza o mesmo mecanismo do OneCare e que, sendo gratuito, deverá ter grande aceitação. Segundo este especialista, a Microsoft terá entrado no mercado dos antivírus por considerar que o McAfee e o Symantec não estavam a ter grande acolhimento entre os utilizadores, contribuindo para a elevada taxa de computadores infectados, prejudicando a experiência de utilização da Internet e a imagem da Microsoft.

Lembre-se  que a McAfee e a Symantec são parceiras tradicionais da Microsoft nesta área e integram muitas vezes as suas soluções com o sistema da fabricante. Quando o usuário compra o PC tem direito a um mês de proteção gratuita, que poderá ser estendido, com a aquisição da licença.

O analista acredita que se o Morro irá providenciar uma proteção eficaz, poderá significar uma mais-valia para os usuários e para as empresas, que receberão por esta via informação que pode usar para melhorar os produtos que comercializa, explicou Peter Firstbrook.

Fonte: PeopleWare

Veja o que há de novo no Office 2010

Excel 2010: o menu Office foi redesenhado e passou a incluir mais informações

Instalamos o pacote da Microsoft, que já circula nas redes de compartilhamento de arquivos.

O primeiro beta do Office 2010 vem sendo testado internamente na Microsoft. Pelo que se sabe, só deve começar a ser distribuído oficialmente para teste externo em julho. Cópias do software apareceram nos últimos dias nas redes de compartilhamento de arquivos. Instalamos uma delas no INFOLAB. Apesar de ser um beta, o software parece estar bastante estável. As novidades funcionais em relação ao Office 2007 são poucas. Mas há mudanças na interface com o usuário.

A faixa de opções encontrada no Word, no Excel e no PowerPoint 2007 está, agora, presente também nos outros componentes do pacote. Além disso, o botão Office passa a ter o formato de uma aba retangular. Quando acionado, ele esconde o documento aberto (se houver algum) e mostra um novo menu Office. Além dos habituais comandos para abrir, salvar e imprimir o arquivo, esse menu fornece informações sobre segurança, formato de gravação e permissões de acesso. Há também uma visualização prévia do arquivo. Esse menu ainda inclui as informações que antes, ficavam na opção Ajuda/Sobre.

O menu Office ficou mais bem organizado e informativo com as mudanças. Mas muita gente vai achar que há coisas demais nele, o que pode causar confusão. Outra alteração é que, agora, cada aplicativo tem uma cor de fundo diferente. A do Excel, por exemplo, é verde, a do Word é azul e a do OneNote é rosa (ou violeta).

O pacote também terá uma opção de upgrade chamada Office Anytime Upgrade. Quem comprar uma edição básica do Office poderá usá-la para, pagando um valor extra, passar a uma mais completa. É o mesmo sistema que a Microsoft tentou usar no Windows Vista (sem muito sucesso) e que, agora, deve oferecer também para o Windows 7. Tentei acionar esse recurso na cópia do Office 2010 que instalamos e ele não funcionou, o que era esperado, já que se trata de um beta ainda inicial.

Outlook 2010 agrupa mensagens como o Gmail

Outlook 2010: as mensagens podem ser agrupadas por conversa, como no webmail do Google

O aplicativo de e-mail da Microsoft é o que traz mais mudanças no Office 2010.

Como comentei há alguns dias, há um beta do Office 2010 circulando pelas redes de troca de arquivos. Essa cópia, não oficial, parece ser um beta ainda cru, que deverá passar por mudanças antes de ser liberado ao público. Um beta público está previsto para julho. Mesmo assim, já é possível observar o caminho que o Office 2010 está tomando. No INFOLAB, encontramos poucas diferenças funcionais entre esse beta e o Office 2007. As mudanças mais evidentes estão na interface com o usuário. Aplicativos como Publisher, OneNote e Outlook ganharam faixas de opções como as que já existem no Word e no Excel 2007. Além disso, o menu Office foi redesenhado e passou a exibir mais opções. Tudo isso eu já havia comentado antes. Vejamos, agora, algumas novidades específicas de cada aplicativo, com destaque para o Outlook, que parece ser o componente com mais mudanças funcionais no pacote.

O Word ganhou um comando para tradução de texto. Não pudemos testar esse recurso porque o beta que instalamos não inclui os dicionários de idiomas. No Excel, a faixa de opções mudou um pouco. Os botões são basicamente os mesmos, mas alguns deles foram reposicionados. Isso fica mais evidente no grupo onde estão as funções. Como no Office 2007, há botões específicos para cada tipo de função: aritméticas, para manipulação de texto, para operações com data e hora etc. Mas esses botões ficaram maiores e foram colocados lado a lado. Isso deve facilitar a busca de uma função específica, perdida entre as muitas que o Excel possui. Quanto ao Outlook 2010, estes são alguns dos recursos novos:

Ver conversa – Esse recurso é bastante conhecido por quem usa o Gmail, do Google. As mensagens pertencentes à mesma conversa serão exibidas juntas. Até que enfim alguém copiou essa ótima idéia do Google.

Ignorar conversação – Esse comando vai permitir que o usuário pare de receber mensagens de uma determinada conversa por e-mail.

Correio de voz – Esse recurso foi melhorados. Agora, mensagens gravadas poderão ser ouvidas no próprio Outlook.

Atendimento telefônico – O correio de voz vai permitir que o usuário defina procedimentos de atendimento automático do tipo: “Tecle 1 para deixar uma mensagem”.

Dicas de e-mail – O aplicativo poderá alertar quando o usuário realizar alguma ação suspeita, como enviar mensagem a um grupo muito grande de pessoas.

Aqui na redação da INFO, quase ninguém gosta do Outlook. Há quem o chame de “Out Louco”, por ser difícil de personalizar e ter interface tortuosa. A Microsoft tem feito algum esforço para melhorar isso, reorganizando a interface para que fique mais racional. Isso é ótimo. Mas eu gostaria de ver opções para personalizar o aplicativo e criar macros no mesmo nível das que existem no Word e no Excel. Infelizmente, acho que ainda não vai ser nesta vez que meus desejos serão atendidos.

Fonte: Maurício Grego – Revista INFO

Microsoft diz que eliminará função que viabilizou vírus em pen drives

Um anúncio da Microsoft feito esta semana deve ter grande impacto nas pragas digitais. A função de AutoRun, usada por vírus para se autoexecutar quando um dispositivo USB é conectado, será eliminada já no próximo Release Candidate (RC) do Windows 7. Apenas CD-ROMs manterão o recurso. O Windows XP e o Vista deverão receber uma atualização de segurança para se comportarem da mesma maneira que o Windows 7. 

Também esta semana: Adobe confirma falha dia zero no Reader, falha do Chrome pode ser explorada pelo Internet Explorer. 

Se você tem alguma dúvida sobre segurança da informação (antivírus, invasões, cibercrime, roubo de dados, etc), vá até o fim da reportagem e deixe-a na seção de comentários. A coluna responde perguntas deixadas por leitores todas as quartas-feiras. 

>>>> Windows 7 trará fim do Autorun; XP e Vista serão atualizados 
A Microsoft anunciou esta semana, por meio de seus blogs especializados em segurança, que o próximo Release Candidate do Windows 7 deve chegar sem o recurso de execução automática conhecido como autorun. O AutoRun é responsável por abrir automaticamente programas presentes em qualquer tipo de mídia (CD, pen drive, discos rígidos) assim que forem conectadas. Por isso, viabilizou o uso de pen drives como meio de disseminação de pragas digitais. 

Foto: Reprodução

Configurações de AutoRun do Vista são superiores às do XP, mas o sistema ainda pode sofrer com pragas em pen drives. (Foto: Reprodução)

O AutoRun teve grande importância em meados da década 90. Quando CD-ROMs começaram a proliferar, ele permitia que os discos – contendo aplicativos, jogos e enciclopédias – interagissem com o sistema assim que fossem inseridos. Não era mais preciso navegar dentro da unidade e executar o programa de instalação manualmente. 

O Windows 7 virá com o AutoRun desativado para todas as mídias exceto CD-ROMs. A justificativa para a manutenção do recurso em CDs e DVDs é a incapacidade de vírus conseguirem gravar dados, e portanto se propagar, nestas mídias. O mesmo comportamento deverá ser configurado no Windows XP e Vista por meio de uma atualização de segurança. 

Embora seja possível para um vírus se espalhar por meio de pen drives da maneira tradicional – infectando ou criando programas no dispositivo –, o autorun permite que as pragas forcem a própria execução assim que o pen drive é conectado. Como a maioria das pessoas não sabe quando está ou não em posse de uma mídia infectada, códigos maliciosos desse tipo tiveram um êxito considerável. 

Conficker, que ganhou grande atenção da mídia por mudar seu comportamento no dia primeiro de abril, faz uso do AutoRun em pen drives e discos externos para se espalhar, além dos ataques na rede. É a praga mais conhecida que utiliza esse meio para se propagar, e foi inclusive mencionada pela Microsoft para justificar a mudança. 

Na década de 90 era comum a disseminação de vírus por disquetes. Conforme a mídia foi morrendo, igualmente foram as pragas digitais que dela se aproveitavam. O CD-R e o DVD-R, por não serem facilmente graváveis, não foram usados por códigos maliciosos. Somente a popularização dos pen drives trouxe de volta as dores de cabeça com vírus em mídias físicas.

Windows 7 RC antecipado contém malware

Windows 7 RC antecipado contém malwareAlgumas cópias do Windows 7 RC disponíveis em sites de compartilhamento contêm um cavalo de troia, dizem usuários.

 

O Windows 7 RC só estará disponível para download público oficial, no site da Microsoft, nesta terça-feira, 5/5. No dia 30/4, o produto também passou a ser distribuído para assinantes do serviço MSDN. No entanto, há cerca de duas semanas é possível baixar cópias dessa versão preliminar em sites P2P.

 

Agora, usuários informam que algumas dessas cópias “antecipadas” contêm programas maliciosos. Um desses usuários é Frank Fontaine, da Grã-Bretanha. Numa discussão no fórum  Neowin.net, ele diz que o arquivo Setup.exe, instalador do sistema, “parece ser um executável de autoextração. Há dois arquivos nele, Setup.exe e codec.exe”.

 

O segundo arquivo, conta Fontaine, foi identificado pelo antivírus Avast!  como sendo um cavalo de troia genérico. O usuário ainda acrescenta: “Não posso garantir que esse vírus está presente em todas versões vazadas, mas parece estar em muitos deles”. 

 

No fórum, outro usuário pergunta: “Não seria um falso positivo?” Fontaine retruca: “Não, posso assegurar que não é um falso positivo. Você não pode abrir o verdadeiro Setup.exe no Winrar”. Há vários outros testemunhos de usuários que confirmam ter encontrado um cavalo de troia em cópia do Windows 7 RC baixada na internet.

 

A Microsoft confirma que o Windows RC estará disponível em seu site de 5 de maio até julho. Essa versão terá validade até junho de 2010. Ainda não há data definida para o lançamento da versão final do produto, mas a empresa diz que não deverá passar de três anos, contando-se do Windows Vista, que chegou às lojas em janeiro de 2007.

 

Especula-se que o sistema deverá chegar ao varejo o mais tardar em janeiro de 2010. No entanto, há fortes rumores de que poderá sair antes do fim deste ano.

Nova Geração de Certificações Microsoft

A nova geração de certificação Microsoft, consiste de quatro credenciais (Technology SpecialistIT Professional,Professional Developer e Architect), proporcionando assim uma estrutura mais simplificada e focada nas diversas linhas de produto Microsoft. Esta nova estrutura permite que profissionais de TI validem skills técnicos, profissionais e de arquitetura no mercado. Suas habilidades são expostas de uma maneira mais relevante, flexível e eficaz.

Existem certificações para todas as áreas de TI, de infra-estrutura, desenvolvimento e banco de dados. Escolha a que se adapta melhor as suas necessidades ou know-how.
Clique aqui e saiba mais.

A certificação é dividida em três níveis: Especialista de produto (primeiro nível da pirâmide), Profissional de produto (especialização em infra-estrutura ou desenvolvimento) e Arquiteto (Professional mais completo com skill de negócios).

Segue gráfico que mostra estes três níveis: estes são compostos de 4 credenciais: Technology Specialist – Especialista de Produto (de 1 a 3 provas), IT Professional ou Professional Developer – Profissional de Produto (de 1 a 3 provas) e Architect – Solução de Produto (apresentação projeto para banca examinadora

grafico_novageracao.jpg

Cinco serviços web da Microsoft que você deveria conhecer e usar

Muitos usuários odeiam tanto a Microsoft que esquecem de ver o que ela faz direito. Descobrimos algumas preciosidades.

Quando se pensa em aplicativos e serviços web, a Microsoft não é a empresa da qual, em geral, as pessoas se lembram. Entretanto, a Microsoft tem feito alguns progressos interessantes incluindo alguns lançamentos que se equiparam e até mesmo são superiores aos que são oferecidos pelo Google, Yahoo e qualquer outra empresa startup da qual você provavelmente nem ouviu falar.

Mas para qual deles a oferta da Microsoft é melhor? Para conferir, experimentamos alguns deles e descobrimos cinco pérolas que valem ser conhecidas.

Nesta pesquisa, uma coisa chamou a atenção: a maior parte dos serviços carregam a marca Live, criada pela Microsoft. É bem provável que a maioria dos usuários fique extremamente confusa com a extensão da família de produtos Live – sem contar que pode até não entender o que esse “Live” quer dizer, ainda mais depois que a Microsoft resolveu deixar as coisas ainda mais confusas, com a introdução do Live Essentials.

Para não restar dúvida: O Windows Live é uma central online de acesso aos serviços e aplicativos Live. Já o Windows Life Essentials é um subconjunto do Windows Live que concentra aplicativos que podem ser baixados pelos usuários, incluindo o Photo Gallery, Movie Maker, Messenger, entre outros.

Windows Live SkyDrive
Por que ele vale a pena? Você obtém 25 GB de espaço para armazenamento online, sem custo nem exigências. É exatamente isso que o Windows Live SkyDrive oferece. Basta criar pastas no site e fazer o upload de arquivos para elas. Você também pode compartilhar qualquer de suas pastas com colegas de trabalho. E sua interface é simples e fácil de compreender.

Skydrive-for_Web.jpg

Mas ele não é perfeito: você não pode usar o SkyDrive como drive virtual – você não o verá no seu PC como um drive; por isso não é possível salvar arquivos diretamente nas pastas do SkyDrive a partir de qualquer programa, como o Office, por exemplo. Mas este é um problema menor. 

Não há argumento que derrube tal capacidade de armazenamento, ainda mais quando se leva em conta que nem o Google nem o Yahoo possuem atualmente qualquer serviço parecido. Há rumores de que o Google estaria trabalhando em um serviço similar denominado GDrive.  Já o Briefcase, do Yahoo, proporciona apenas 25MB e está previsto para sair do ar, definitivamente, no final deste mês. Então, por enquanto, o Windows Live SkyDrive é tão bom quanto a capacidade de storage que ele oferece.

Windows Live Sync
Quem tem mais de um PC e quer manter arquivos e pasta entre todos eles em sincronia com toda a certeza vai precisar deste serviço. Depois de baixar e instalar um pequeno aplicativo em cada uma das máquinas, deve ir até a página do Windows Live Sync e informar que pastas e em que PCs devem ser mandidas sincronizadas. 

É possível sincronizar pastas pessoais bem como aquelas que são compartilhadas. Toda vez que qualquer dos PCs estiver conectado na web, eles terão as pastas selecionadas automaticamente sincronizadas umas com as outras. 

Adicionalmente, é possível se conectar a qualquer dos PCs em sincronia, a partir de qualquer outro computador também parte integrante desta sincronia, e navegar por todo o disco rígido da máquina alvo e copiar arquivos.

Live_sync_for_web.jpg

Note que, diferentemente de alguns serviços de sincronismo gratuitos que vimos por aí, o Live Sync não mantém cópia dos seus arquivos na web: ele funciona apenas como um tubo condutor entre os PCs envolvidos no processo de sincronismo. E ao não envolver qualquer armazenamento online, ele não impõe qualquer limitação do volume de dados que se pode sincronizar. Ah! E também é gratuito.

Live Mesh
Eis aqui um serviço gratuito da Microsoft para pessoas que querem manter seus arquivos na nuvem da internet. Como o Live Mesh é mais poderoso que o Windows Live Sync, ele acaba sendo também um pouco mais complicado de usar.

Live_mesh_2_for_web.jpg

Além de poder sincronizar arquivos e pastas entre PCs, pode-se criar pastas no Live Mesh e fazer com que todos os computadores desejados fiquem em sincronia com o que estiver armazenado nelas .

Com tal facilidade, é posível acessar arquivos e pastas a partir de qualquer computador com conexão web. E ainda é possível obter um controle enorme sobre os mecanismos de sincronismo. Por exemplo, é possível escolher sincronizar apenas arquivos que tenham sido modificados nos últimos 30 dias ou que sejam menores que 500MB.

O Live Mesh ainda permite controlar remotamente qualquer PC que faça parte do seu ‘mesh’. E a Microsoft já anunciou não ter planos de cobrar pelo storage, nem limitar a quantidade de dados que podem ser armazenados no Live Mesh. 

Microsoft Office Live Workspace
Office Live Workspace irá ajudar qualquer um que possua um pequeno negócio ou grupo de trabalho que precisa de uma forma simples de trabalhar de forma colaborativa. Com este serviço, pode-se criar e compartilhar documentos, agendas, listas de tarefas e muito mais.

Office_Live_for_Web.jpg

Pode-se começar criando uma área de trabalho compartilhada. O usuário pode escolher entre 11 áreas pré-definidas – por exemplo: Project Workspace; Meeting Workspace ou Travel Workspace -  ou ainda criar suas próprias. 

Cada área de trabalho de trabalho possui templates já construídos para ela, incluindo apresentações PowerPoint, planilhas Excel e documentos Word. 

Membros do grupo podem trabalhar em documentos e salvá-os para que outros do grupo possam vê-los e editá-los também. Para editar documentos do Office, é necessário instalar um complemento gratuito do Office; para visualizar documentos, contudo, esse complemento não é necessário.

Por que usar este serviço em vez do Google Docs ou Zoho? Uma grande razão é sua direta integração com o Microsoft Office – pode-se salvar arquivos para a área de trabalho a partir da própria suíte de aplicativos, e também é possível usar os programas que a compõem para editar arquivos que estiverem guardados no workspce. E acima de tudo: os templates são muito melhores do que os encontrados no Docs e no Zoho.

Microsoft’s Virtual Earth 3D
Ok. Este não é um serviço web propriamente dito. Trata-se de um aplicação de desktop que trabalha com um serviço web. Mas o Microsoft Virtual Earth 3D é um serviço web muito bom.

Pelo fato de o Google Earth ser o aplicativo dominante nesse segmento, poucas pessoas chegaram a dar uma olhada no produto da Microsoft – e isso é uma pena. 

Essa aplicação ‘baixável’ trabalha junto com o Windows Live Maps para fornecer visões 3D excelentes de lugares ao redor do mundo. Por meio de controles muitos simples, o usuário pode navegar pela cidade facilmente. 

Também é possível fazer tours guiados que outras pessoas criaram, além de criar seus próprios roteiros. Os roteiros podem ser salvos para uso futuro ou para serem compartilhados com outros usuários.

Virutal_Earth_3D_for_Web.jpg

As imagens são muitos mais ricas e complexas dos que as oferecidas pelo Google. Assim, caso procure uma grande aplicação de mapas 3D, deve experimentar esse serviço. Para usar o Virtual Earth 3D em combinação com o serviço Live Maps, é preciso baixar o Virtual Earth 3D e isso pode ser feito tanto no Windows Live Maps quanto na área geral de downloads da Microsoft.

Fonte: PCWorld

“2019”: futuro idealizado pela Microsoft

Que as empresas de tecnologia investem muito em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos você já sabe, mas será que saberia dizer como será o mundo tecnológico daqui a dez anos?

Durante a conferência Wharton Business Technology 2009, o presidente da divisão de negócios da Microsoft, Stephen Elop, apresentou o vídeo “2019”, uma visão futurista da interação das pessoas com gadgets e ferramentas de comunicação que parecem ter saído de um filme de ficção científica.

Intitulado Future Vision Montage, o filme chama a atenção para tecnologias como uma parede transparente que une salas de aula ao redor do mundo, um jornal feito em papel eletrônico, canecas de café interativas, mini projetores, traduções instantâneas e muito mais.

Assista abaixo ao vídeo “2019”:

Microsoft prepara Gazelle, substituto do IE

Segundo o site de pesquisas da Microsoft, a companhia está trabalhando em um navegador substituto ao Internet Explorer, chamado Gazelle. Com apelo principal voltado para segurança, o navegador será concebido como um sistema operacional que comandará as funções de proteção de maneira independente ao computador.

De acordo com o site da MS, “o protótipo em execução e avaliação indica que um browser rodando como sistema operacional gera uma melhora significativa na segurança e compatibilidade”.

Quanto ao apelo da segurança, esse é visto por especialistas como forma de diminuir o estigma de que o IE é um browser mais propenso a ataques de criminosos virtuais.

Ainda não foi informada a data de lançamento do Gazelle aos usuários.

 Luta com a concorrência

A iniciativa da gigante dos softwares busca desacelerar o crescimento dos concorrentes, como Firefox e Chrome, e diminuir as perdas de participação da companhia no mercado dos navegadores.

Segundo dados da Net Applications relativos ao mês de fevereiro de 2009, o Firefox 3.0 fechou o mês com participação de 19,28% no setor de navegadores, ficando à frente do IE6, que atingiu 19,14%.

Já o IE 7, versão mais recente do navegador da Microsoft, continua como primeiro no ranking, com 47,81% dos usuários.

As duas versões do Safari, da Apple, 3.2 e 3.1 têm, respectivamente, 4,34% e 2,49% do mercado. O Google Chrome conta com 1,12% e o Opera 9 0,68%.

Fonte: PeopleWare