Category Archives: Tecnologia

Roteador DIR-450, da D-Link, compartilha o 3G

Aparelho bota na rede sem fio a conexão de modems EVDO nos padrões USB e PC Card

Para quem deseja compartilhar a conexão 3G da Vivo, uma opção interessante e com preço decente é o roteador DIR-450, da D-Link. Ele resolve o problema de quem precisa montar uma redetemporária em locais com infra-estrutura mínima, usando apenas um modem com interface USB.

O equipamento se comunica comredes celulares EVDO, disponível apenas em operadoras CDMA (Code Division Multiple Access), uma das tecnologias usadas pela Vivo. Também funciona com outro padrão que, a médio e longo prazo, está com os dias contados: o wireless super-g, com velocidade nominal de transferência de até 108 Mbps.

Além de modems USB, o roteador aceita também um PC Card na interface PCMCIA, que acaba funcionando como porta WAN. Sua função principal é a integração com um cartão de dados. Para esta avaliação, usamos um adaptador YISO U893, da Vivo.

Em nossos testes, o wizard de configuração funcionou bem. Bastou incluir usuário e senha para manter a conexão ativa. O problema foi a demora para entrar na rede celular. Além disso, em determinados momentos o dispositivo precisou reiniciar várias vezes até estabelecer um link.

Desempenho e recursos

Depois que a conexão estava ajustada, a velocidade na rede sem fio manteve-se num nível razoável. Sua média foi de 20,5 Mbps, valor comparável ao alcançado pelos equipamentos 802.11g mais simples. A potência também ficou abaixo da média. Quando navegamos com um notebook a 30 metros de distância do roteador, o sinal caiu para 42%, num ambiente de escritório com divisórias de papelão.

Um problema do roteador é o fato de ele não ter uplink para redeethernet. Ou seja, só funciona com EVDO mesmo, sem a possibilidade de estabelecer uma segunda conexão banda larga do tipo ADSL, por exemplo. Quando um produto desse tipo vem com uma opção assim, é possível deixar o 3G apenas como backup para quando a rede principal cair.

O equipamento possui alguns recursos interessantes, como redirecionamento de tráfego externo para um determinado IP. É o chamado virtual server, útil para quando você deseja acessar a sua máquina de casa por algum outro local, por exemplo.

O DIR-450 suporta também o system check, para identificar quais cabos estão conectados e sem problemas. Outras funções interessantes são os envios de alertas, alterações em firmware e logs de sistema direto para o administrador. O produto poderia ter, ainda, suporte a SSL, para dar mais segurança ao tráfego de dados pela interface web.

Fonte: INFO On-Line

** Após este POST, descobrimos o novo modelo D-link DIR-451, que trabalha também com outras Operadoras (Claro, TIM, Oi, etc).

Entenda como funciona o Microsoft Surface

Na última semana, a Microsoft apresentou o Surface, um computador em forma de mesa capaz de interagir com dispositivos colocados em sua superfície e com tela sensível ao toque. Tanta tecnologia deixou muita gente curiosa sobre como funciona o aparelho.

O Surface utiliza um sistema de detecção de gestos e movimentos através de câmeras infravermelho. Cinco câmeras captam os comandos, que são interpretados e a imagem é mostrada na tela através de um sistema de projeção.

Todos os aplicativos do Microsoft Surface foram desenvolvidos especificamente para ele, mas todos rodam sob o Windows Vista.

Fonte: Terra e Outros.

Tecnologia Z-Wave

Solução sem fio para automação residencial
Você,  como eu, já imaginou controlar sua casa ou seu escritório com um simples toque, independente de onde você estiver? Pois saiba que isso já é possível. Com a tecnologia Z-Wave e com um orçamento relativamente baixo, cerca de 1000 reais, já é possível começar a automatizar sua residência. Confira!

 

Fonte: OlharDigital

“2019”: futuro idealizado pela Microsoft

Que as empresas de tecnologia investem muito em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos você já sabe, mas será que saberia dizer como será o mundo tecnológico daqui a dez anos?

Durante a conferência Wharton Business Technology 2009, o presidente da divisão de negócios da Microsoft, Stephen Elop, apresentou o vídeo “2019”, uma visão futurista da interação das pessoas com gadgets e ferramentas de comunicação que parecem ter saído de um filme de ficção científica.

Intitulado Future Vision Montage, o filme chama a atenção para tecnologias como uma parede transparente que une salas de aula ao redor do mundo, um jornal feito em papel eletrônico, canecas de café interativas, mini projetores, traduções instantâneas e muito mais.

Assista abaixo ao vídeo “2019”:

Banda larga via rede elétrica chega neste ano

plc

 

Emília Ribeiro, conselheira da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), afirmou que os brasileiros poderão acessar internet por meio da rede de energia elétrica ainda em 2009 e garantiu que seu relatório sobre a regulamentação da oferta estará pronto ainda no fim de março.

 

Emília afirmou, à Agência Brasil, que é muito importante decidir a questão, porque é uma forma barata de expandir a banda larga para todo o país e aumentar a competição no setor.

Com a transmissão de dados em alta velocidade pela rede elétrica, sistema também conhecido como BPL ou PLC, as tomadas residenciais passam a ser pontos de rede. A conselheira explica que os dados são transmitidos por meio de fio elétrico ou por outro cabeamento no poste de energia e levado para dentro da residência por meio da caixa de energia elétrica.

Emília aproveitou para defender a disseminação da banda larga no serviço público e nas escolas. Segundo a conselheira, não custaria muito para o governo um estudo que faça o serviço chegar à segurança, à saúde, à cultura, entre outros.

 

Fonte: IDGNow

Freio nas importações deve encarecer PC

SÃO PAULO – Uma medida do governo para frear as importações coloca em risco o mercado brasileiro de eletrônicos.

 

O Ministério do Desenvolvimento criou, esta semana, uma barreira não tarifária que aumenta a burocracia para as importações brasileiras e impacta diretamente sobre o mercado de eletrônicos, já que PCs, smartphones, TVs LCD ou Home Theaters contam invariavelmente com componentes importados para sua fabricação no Brasil. Em muitos casos, aliás, estes gadgets chegam ao país totalmente prontos via importação.

 

O setor de eletrônicos já sofreu um duro golpe no Brasil em meados de agosto, quando o dólar disparou saindo de um patamar de R$ 1,60 para mais de R$ 2,10. A desvalorização do real acontece, entre outros fatores, em função da fuga de capitais do Brasil para o exterior.

 

Com o agravamento da crise global, muitos investidores preferem investir seu capital em aplicações consideradas mais seguras, como títulos da dívida americana, ao invés de deixá-los em países emergentes e potencialmente instáveis, como o Brasil.

 

Este fenômeno fez as transações correntes do Brasil (diferença entre a quantidade de dólares que entra e sai do país) fecharem 2008 com um déficit de US$ 28,3 bilhões. Em 2006, este número foi favorável ao Brasil em US$ 13,6 bilhões e em 2007 foi positivo em US$ 1,6 bilhão.

 

Maior burocracia

 

Por meio de uma determinação do Siscomex, sistema que gerencia o comércio externo do Brasil, o governo vai exigir que todo importador obtenha, antes de fechar negócio, uma autorização especial chamada de LI (Licença para Importação). Este sistema já vigorou no Brasil nas décadas de 70 e 80 e visava proteger o país de um desequilíbrio nas frágeis contas externas brasileiras.

 

Desde os anos 90, porém, o Brasil vem liberalizando seu comércio exterior. A exigência de uma “autorização” para importar foi recebida debaixo uma chuva de críticas vinda dos setores da indústria nacional que dependem de componentes importados e mesmo pelos importadores.

 

Em nota publicada em seu site, a Abinee, associação que reúne fabricantes de eletrônicos, manifestou indignação com a decisão, que classificou como um retrocesso. O presidente da associação, que está na África acompanhando uma comitiva de empresários e o ministro do Desenvolvimento, Miguel Jorge, disse que manifestou pessoalmente ao ministro seu desapontamento com a decisão.

 

A Abinee pede a suspensão imediata do sistema de autorizações para importar. Até a publicação da medida, qualquer importador podia fazer compras do exterior sem pedir permissão ao governo. Basta preencher uma guia de importação e pagar os impostos na Receita Federal.

 

Em nota, o presidente da Abinee, Humberto Barbato, diz que a medida “agravará ainda mais a já crítica situação dos fabricantes de eletroeletrônicos”. “Esperamos a revogação imediata desta medida, pois o setor produtivo não pode pagar mais este preço por mais um descontrole do governo”, escreveu Barbato.

 

Medida deve ser temporária

 

Após a forte reação negativa do mercado, o Ministério do Desenvolvimento divulgou nota dizendo que a exigência de autorização é temporária, não afeta todos os setores da economia e visa apenas melhorar a coleta de dados sobre comércio exterior para efeitos estatísticos.

 

O Ministério diz que não pretende voltar ao sistema vigente na década de 70 e que os pedidos de autorização para importar serão gradualmente suspensos.

 

Os integradores que dependem de chips e circuitos importados temem que a burocracia do governo entrave importações e os faça perder boas negociações no exterior. Há o temor de que as concessões de autorização possam levar até meses para serem assinadas pelos técnicos do governo, gerando custos extraordinários para a indústria brasileira.

 

Se o freio nas importações não for solucionado, industriais temem ver seus custos crescerem ainda mais – pois já subiram muito desde a alta do dólar – o que pode encarecer os eletrônicos vendidos no Brasil e, conseqüentemente, criar um ciclo negativo com preços mais altos, menos consumo e menos emprego.

Fonte: Revista INFO

Lousa Digital Realidade?

A lousa digital está se tornando uma realidade no Brasil, muitos já viram esta novidade na GLOBO, em programas como o Fantástico ou GloboEsporte.

Agora já esta presente em diversos Colégios, Faculdades, Cursinhos, Palestrantes, etc.

Porém, ainda tem um custo muito elevado em relação aos padrões de nosso país de 3º Mundo, com custos acima dos R$ 5.000,00 (vide anúncio).

Pensando nisso, um grande amigo meu, resolveu desenvolver um projeto elaborado por um chinês, que utiliza a tecnologia do controle do Nintendo Wii + uma caneta Bic para transformar qualquer superfície em uma espécie de “lousa digital”.

lousa

A idéia foi muito boa e já contamos com o nosso próprio protótipo de “lousa digital”, através de um laptop com conexão Bluetooth + Controle Wii + Caneta Bic + Projetor Multimídia, barateando absurdamente a solução.

A única parte “cara” ainda continua sendo o projetor, que pode ser adquirido por volta dos R$ 1.800,00 hoje em dia.

Estamos montando nosso protótipo de hardware, logo logo divulgamos ele por aqui. A solução é Opensource, e pode ser modificada de acordo com as necessidades. O custo estimado gira em torno dos R$ 350,00, com a vantagem de poder se utilizar praticamente  qualquer superfície para a projeção.

A estimativa de valor de venda chega a 500%, já barateando consideravelmente a tecnologia atual e os resultados são realmente impressionantes, como o próprio desenvolvedor comentou “Parece Mágica”.

Estou ancioso para fechar a parceria com o fabricante do hardware, à fim de finalizarmos a nossa solução e poder mostrar ao mundo todas as suas vantagens.

Segue abaixo, um vídeo da idéia original do Pai do projeto:

VMWare no Celular

Navegando pelo InfoNeural, me deparei com este POST sobre Virtualização em celulares e me surpreendi.

Além de se tratar do Nokia e62 (Não especificamente, mas é o que mostra na foto), por ser um aparelho que já possuo e sou apaixonada há alguns anos (Apesar da enorme desvantagem de não possuir acesso wi-fi), resolvi investigar e ir mais à fundo nessa tal de Virtualização em celulares.

Com a MVP (Mobile Virtualization Plataform) , será possível utilizar mais de um SO no seu celular e permitir ter virtualmente vários celulares em um único aparelho físico.

 

A virtualização, criação de máquinas virtuais, permite que o usuário consiga utilzar outros sistemas operacionais em uma mesma máquina física,  facilitando o  controle e auxiliando em testes, entre outras vantagens.

Mais detalhes e o conteúdo completo pode ser visto no site da vmware.

09 Geeks que mudaram o Mundo

Ray Tomlinson: O E-mail

 

Agradeça à Ray Tomlinson pela enormidade de e-mails que você recebe todos os dias. Ele criou uma maneira de mandar cartas eletrônicas na rede em 1971 por “parecer, na verdade, uma idéia muito legal.” Ele também é responsável pela @nos e-mails.

 

Bill Gates: Programas e sistemas operacionais padronizados

 

Ame ou odeie, Bill Gates é uma das maiores influências em TI. Em 1975, ele deixou a universidade de Harvard com 20 anos para criar uma companhia com seu colega de infância Paul Allen. Tudo começou como uma versão completa de Basic para o primeiro computador Altair. O resto, como dizem, é história.

 

 

Dr. Bradford W. Parkinson e Dr. Ivan A. Getting: O GPS

A piada de que homens não pedem ajuda para descobrir caminho hoje é mentira. Graças ao Dr. Bradford W. Parkinson (à esquerda) e ao falecido Dr. Ivan A. Getting existe o GPS. Eles foram responsáveis pelo programa do sistema mundial que ficou conhecido como NAVSTAR GPS.

 

Larry Page e Sergey Brin: O Google

Para duas pessoas que não se gostavam quando se conheceram, Larry Page (à esquerda) e Sergey Brin conseguiram muito. Eles fundaram o Google no final de 1998 quando Yahoo e Infoseek dominavam. Mas a nova companhia rapidamente se tornou rei, notadamente pelas pesquisas precisas e facilidade de uso.

 

Martin Cooper: O telefone celular

Martin Cooper, hoje com 72 e CEO da empresa ArrayComm, por ter uma vida verdadeiramente 24 por 7. Ele criou em 1972 o primeiro telefone celular com um peso pouco menor do que um quilo. Ele usou como inspiração o comunicador do Capitão Kirk em Star Trek.

 

Mike Lazaridis: O BlackBerry

Lazaridis fundou a RIM quando era um estudante na universidade de Waterloo, Canadá, em 1984. Na época, eles faziam pagers, mas Lazaridis apostou em tecnologia para criar o CrackBerry. O BlackBerry 850 nasceu em 1998 e abriu os olhos do mundo para wireless e executivos viciados em responder e-mails.

 

Steve Jobs: Computadores sexies, iPod e iPhone

Ditatorial e resistente, Steve Jobs lidera uma seita. “Várias vezes, as pessoas não sabem o que querem até que você mostre para elas”, disse ele uma vez. Ao fundar, em 1976, a Apple com Steve Wozniak, iniciava a revolução da computação para pessoas comuns. Depois veio o iPod, o iPhone, etc…

 

Vint Cerf: A Internet

Cerf, ou o “pai da internet”, ganhou o título por ter criado no final dos anos 60 o protocolo TCP/IP junto com Robert Kahn. “Nós éramos amadores. Esperávamos que alguma autoridade chegasse e mostrasse o caminho, mas ninguém veio”, disse Cerf em 2000, hoje evangelista do Google.

 

Fonte: ComputerWorld

PC da Dell com Core i7 é rápido e não tão caro

A maioria dos novos desktops que tem o novo processador Core i7 da Intel são máquinas poderosas para games, com preços compatíveis com esse tipo de uso. É por isso que eu fico realmente feliz de ver uma análise interessante do novo Studio XPS da Dell, que pode ser encontrado nos Estados Unidos por 950 dólares (na configuração mais básica). O site DesktopReview testou essa máquina, e mesmo com um ou dois problemas, o Studio XPS é rápido, além de um bom negócio.

920935-6580-it2

 

O quad-core agüentou processamento de áudio e vídeo mais rápido que os chips rivais da AMD, além de ter deixado muitas máquinas para trás nos testes de benchmark. Ele nem é um computador para jogos, e mesmo assim mostrou um desempenho satisfatório (antes que alguém pergunte, sim, ele roda Crysis sem explodir).

Os problemas? O design não é muito legal, pois é bem parecido com os outros Dell mais comuns que você encontra por aí. E o pessoal do DesktopReview acha que o HD poderia ser mais rápido.

Ainda assim, é a máquina certa se você quer um computador rápido por um preço bom e que ainda rode games de forma competente.

Fonte: Terra